Era uma vez um teatro…

O Seu Pato, de Era uma vez um teatro, estava cansado de só ver as crianças de seu bairro brincando e resolveu criar um teatro de fantoches! Uniu alguns sapatos velhos e os transformou em ótimos personagens para suas histórias. Aos poucos foi juntando mais itens para criar o teatro que acabou encantando a criançada!

Mas o Seu Pato não foi o inventor do teatro… ele deve ter se inspirado na história que vamos contar!

O teatro tem suas raízes na Grécia. Em sua antiguidade, por volta do século VI a.C., o teatro surgiu como um rito para homenagear o Deus do Vinho, Baco. Estas festas aconteciam uma vez por ano, no período da colheita e duravam dias.

Nas apresentações, os participantes cantavam, dançavam e contavam mitos sobre esse Deus, também conhecido como Dionísio. As encenações eram feitas na rua e depois houve a necessidade de reservar um local para tal ato.

O primeiro ator da história ocidental se chamava Téspis. Foi ele quem, pela primeira vez, subiu no palco e se colocou no lugar de um Deus como forma de representação. Essa inovação em colocar-se no lugar do outro sobre o tablado marcou o início da dramaturgia.

As tragédias gregas ficaram muito famosas e o teatro passou a ser mais difundido.

No século XIX a preocupação com a veracidade do cenário era tão grande, que cavalos de verdade subiam ao palco! Com a evolução tecnológica, como luz, arte cenográfica e sons, a montagem do teatro foi facilitada.

O teatro foi levado para diversos locais e transitou pelos períodos da história. Sempre com o objetivo de representar um conceito, os espetáculos refletiam um ideal importante de sua época. Na Idade Média, por exemplo, a Igreja Católica estava com uma intensa atividade na Europa e, por isso, havia muitas representações de passagens da Bíblia em suas missas.

Durante os anos, o teatro passou por diversas transformações em relação ao tema tratado (ora sobre questões políticas, ora sociais, ora religiosas) e o gênero teatral (romântico, comédia, tragédia).

Já no Brasil, o teatro chegou somente no século XVI, quando Portugal o transformou em colônia. Os jesuítas, que educavam os indígenas, foram responsáveis por trazerem uma nova cultura. Mas encenações brasileiras só ganharam representatividade em meados do século XIX, com o início do Romantismo.

Curiosidades:

-O dia mundial do teatro é 27 de março;

-Dizer “Quebre a perna” para um ator antes de entrar em cena significa desejar-lhe boa sorte. Uma das explicações da origem dessa expressão é que o elenco tinha a expectativa de que o público, muito satisfeito com a peça, aplaudisse de forma tão fervorosa que as “pernas” do teatro (sustentação lateral) se romperiam.

– O ato de bater palmas ao final da apresentação não era típico do teatro. O aplauso acontecia há mais de 3 mil anos nos rituais religiosos para trazer a atenção dos deuses. Então, os artistas passaram a pedir as palmas do púbico para invocar os espíritos protetores da arte.

– O teatro de fantoches tem bastante relevância na história da civilização. Para os povos primitivos, tudo pertencente ao Universo possuía alma, e assim, sentimentos e desejos. Por esse motivo fantoches eram considerados sagrados por transmitirem esse ideal por meio da pessoa que os controlavam.

Advertisements