Papeando com Luiz Antonio Aguiar

Sejam muito bem-vindos a mais uma seção superdivertida do nosso blog!
Aqui, vamos apresentar os autores e ilustradores que formam e transformam a nossa editora. Não se trata, porém, daquelas biografias que todo mundo conhece, não; aqui é cada um falando por si! Conheça um pouco do universo de cada artista, no Papeando.

—–

Luiz Antonio Aguiar nasceu no Rio de Janeiro. É Mestre em Literatura Brasileira pela PUC-RJ. Sempre gostou de ler e, por muito tempo, ganhou a vida escrevendo roteiros para histórias em quadrinhos e pocket books de faroestes. O autor realiza oficinas de leitura em diversos estados brasileiros, e também é um dos fundadores da Associação dos Escritores e Ilustradores de Literatura Infantil e Juvenil (AEILIJ). Já ganhou diversos prêmios, como um Jabuti (1994), menções Altamente Recomendável da FNLIJ, o White Ravens (2008), entre outros. Pela Editora Biruta, ele já publicou Brincos de ouro e sentimentos pingentes, O maior mágico do mundo, Bruxas, Beijos e Outros Encantos, Meu Amigo Indiozinho, A Espada Turca e O Baú do Tio Quim; pela Editora Gaivota publicou O Menino e o Grifo. Luiz Antonio diz que gosta muito do nome Biruta: ele se sente em casa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agora é com ele:

Quem é Luiz Antonio Aguiar?
Bem, é o marido da Marisa, o avô do Vicente e da Olívia, o cara que escreve histórias para tentar viver mais no mundo (e, aliás, vive disso, é seu ofício), e também, o sujeito que adora cozinhar para a família e os amigos, assistir filmes de todos os gêneros, ficar olhando quadros nos museus por que passa, escutar música de olhos fechados e no escuro, passear a beira do mar (moro no Rio de Janeiro) a pé ou de bicicleta, que lê, lê, lê muito e adora isso, e que torce pelo Flamengo.

O melhor lugar para o surgimento de riscos e rabiscos é…?
Dentro da minha cabeça, quando estou lendo algum livro que me tira do mundo.

O melhor amigo criado por você?
Bem, dos meus personagens, um que eu gostaria de ter como amigo é o Marciano, do meu primeiro livro, Tristão as aventuras de um menino da cidade grande. Ele é um sujeito que mora em Marte e que vem à Terra visitar os amigos numa motoneta galáctica que solta espuma colorida. É um cara divertido pacas.

Uma viagem inesquecível seria nas páginas de qual livro?
Ah, seria no A chave do Tamanho, o livro mais importante da minha vida. E dali, pegava uma esticada até Os doze trabalhos de Hércules.

Qual é seu companheiro favorito de aventuras?
Meu laptop. Brincadeira… São o Vicente e a Olívia. A gente decola!

Escrever um livro é…
Medo antes. Entrega durante. Vontade de escrever outro depois.

Se não inventasse mundos e personagens, o que Luiz Antonio Aguiar faria?
Bem, ia viajar mais com a Marisa, babar mais meus netos… E quem sabe eu abriria uma livraria-restaurante?

Por que literatura para os pequeninos e jovens?
Porque, entre uma ponta e outra da vida, tem muitos momentos em que a gente se sente repleto de satisfação de viver.

Onde fica/o que faz quando busca inspiração?
Geralmente, me cerco de coisas – livros e filmes principalmente – que tenham a ver com o que quero escrever. Eu tenho que me concentrar na tal coisa, entrar… daí é que escrevo.

A melhor página em branco é…
Aquela do final dos livros, para fazer número. Tem tantas impressas até chegar nela…

—–

Aqui você consegue visualizar um pedacinho da obra de Luiz Antonio Aguiar:

Advertisements